Conheça os principais tipos de dores na coluna

ARTROSE DE COLUNA

A artrose é uma degeneração da articulação, que pode ser causada pelo processo natural de envelhecimento, traumatismos, sobrepeso, sobrecarga em esportes e excesso de esforço nas articulações. Ela causa dor na coluna com irradiação aos membros. O tratamento para artrose de coluna pode ser feito com uso de medicamentos, bloqueios terapêuticos, cirurgias minimamente invasivas (rizotomias, discectomias percutâneas), associada a reabilitação.

FRATURAS DE VÉRTEBRAS

A fratura de vértebra é uma interrupção na continuidade do osso, uma quebra. Ela pode ser causada por um esforço exagerado da estrutura óssea, que ocorre devido à queda, pancada ou acidente. A fratura também pode estar relacionada a um problema de saúde já existente, que causa enfraquecimento nos ossos como as metástases de tumores malignos e a osteoporose. Os sintomas de uma fratura são uma dor intensa, incapacidade de movimentação, inchaço e deformação. Atualmente podemos resolver alguns casos de fratura de vértebra com procedimentos menores do que a cirurgia convencional, como é o caso da vertebroplastia.

HÉRNIA DE DISCO

A coluna é formada por articulações compostas pelas vértebras e por discos intervertebrais que se localizam entre elas. Esses discos funcionam como um amortecedor, que absorve os impactos sofridos pela coluna. A hérnia de disco é o deslocamento de um disco intervertebral, que pode comprimir uma raiz nervosa e causar dor. A doença ocorre com mais frequência na região cervical e lombar. O paciente pode apresentar dor também nos membros superiores e inferiores, além de fraqueza muscular e formigamento. O surgimento da hérnia de disco está relacionado à predisposição genética, sobrecarga, atividade física inadequada e postura incorreta. O tratamento consiste no uso de analgésicos, antiinflamatórios, procedimentos com radiofrequência ou minimamente invasivos como a nucleoplastia e a discectomia percutânea que não exigem internamento prolongado pois podem ser realizados em regime ambulatorial. Além disso, é importante que o paciente mantenha o acompanhamento fisioterápico e de orientação postural.